Quem é Jesus? parte VI

quem e jesus estudo parte VI
 A DIVINDADE DE JESUS: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus: joão.1,1  apresenta Jesus como Verbo (Logos na língua grega), que tanto para o judeu como para o grego, significava a mente criadora, iluminadora, controladora e sustentadora de todas as coisas.
Observe que João afirma três verdades sobre Jesus, o Verbo: (1) Jesus existia antes da criação de todas as coisas. (2) Jesus sempre esteve intimamente ligado a Deus. (3) Jesus, o Verbo, é Deus. João não diz que Jesus era idêntico a Deus, mas do mesmo caráter, essência, qualidade e ser de Deus. Jesus é tão perfeitamente o mesmo que Deus em mente, coração e essência, que em Jesus vemos a perfeição de Deus: "Quem me vê a mim vê o Pai’, afirmou Jesus (Jo 14.9).
"E o Verbo se fez carne e habitou entre nós…" (Jo 1.14). Jesus, o Verbo, se encarnou e "armou a sua tenda" entre nós. Ele se fez gente. Isto revela que na pessoa de Jesus Cristo houve a união de uma natureza plenamente humana com uma natureza plenamente divina. Jesus é plenamente Deus e plenamente homem. As duas naturezas acham-se unidas nesta fusão pessoal "sem confusão, sem mudança, sem divisão, sem separação".
A partir dessas verdades iniciemos o estudo acerca da pessoa de Jesus.

1. Os nomes de jesus

Uma das maneiras de se conhecer a Jesus é estudando os seus nomes. Na Bíblia, o nome de uma pessoa indica o seu caráter ou a sua missão.
Nos nomes de Jesus encontramos uma auto revelação de quem é a sua pessoa e qual a sua missão. Analisemos apenas três dos nomes atribuídos a Jesus:
1.1. O nome Jesus. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles, disse o anjo do Senhor a José (Mt 1.21). Jesus significa "Salvador", ou seja, "Ele salvará o seu povo dos pecados deles". O nome indica a sua missão. Ele veio ao mundo para nos salvar.
1.2. O nome Cristo. "… é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor" (Lc 2.11). "Cristo" significa "o ungido", cujo equivalente hebraico é "Messias". Se o nome Jesus indica a missão, "Cristo" refere-se à capacitação oficial para a missão. Jesus é o nome pessoal, Cristo é o nome oficial (At 10.38).
1.3. O nome Senhor. "Senhor" é a tradução grega do nome sagrado de Deus no Antigo Testamento, "lave" ou "Jeová" foi traduzido pela palavra grega "kyrios" (Senhor), aparecendo mais de 700 vezes na Bíblia. "Jesus é o Senhor" foi a primeira confissão de fé da Igreja Cristã (Rm 10.9; 1 Co 12.3; 2 Co 4.5). Jesus é lave, isto é, DEUS ou SENHOR (At 2.34ss.; Rm 8.34).
O evangelista João que escreveu o seu evangelho para provar a divindade de Jesus, afirma que Jesus usou o nome auto revelado por Deus no Antigo Testamento: "Disse Deus a Moisés: Eu Sou o que Sou…" (Êx 3.14). "Eu sou" não somente expressa a autoexistência e autossuficiência de Deus, como também é uma expressão de atendimento a qualquer necessidade do homem. Jesus se identifica como Deus ao usar por diversas vezes a expressão "Eu sou". Disse Jesus:
- Eu sou o pão da vida (Jo 6.35); alimento para os famintos.
- Eu sou a luz do mundo (Jo 8.12); visão para os cegos.
- Eu sou a porta das ovelhas (Jo 10.7); destino para os perdidos e desviados.
- Eu sou o bom pastor (Jo 10.11); cuidado para com as ovelhas.
- Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida (Jo 14.6); salvação para os enganados.
- Eu sou a ressurreição e a vida (Jo 11.25); vida para os mortos.
- Eu sou a videira verdadeira (Jo 15.1); comunhão para aqueles que O buscam.

2. As obras de jesus

A prova da divindade de Cristo mediante as obras que Ele realizou, é o tema central do Evangelho de João: Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome (Jo 20.30-31). João selecionou sete sinais realizados por Cristo. Cada sinal revela um aspecto da divindade de Jesus:
Texto
Milagre
Mensagem
2.1-12
Água transformada em vinho
Jesus é o Senhor da qualidade
4.46-54
A cura do filho de um oficial
Jesus é o Senhor da distância
5.1-18
A cura de um paralítico
Jesus é o Senhor do tempo
6.1-15
A multiplicação de pães e peixes
Jesus é o Senhor da quantidade
6.16-21
Andando por sobre as águas
Jesus é o Senhor da natureza
9.1-41
A cura de um cego de nascença
Jesus é o Senhor do sofrimento humano
11.1-46
A ressurreição de Lázaro
Jesus é o Senhor da morte e da vida
Entretanto, a maior obra realizada por Jesus foi a da redenção dos pecadores. Esta compreende sofrimento, morte e ressurreição (Mt 16.21). O apóstolo Paulo diz:"… a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação… Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Co 5.19,21). "Deus estava em Cristo" na cruz, realizando a grande obra da salvação (At 2.22-24). A obra da cruz é insubstituível, única e insuperável. Aquilo que Jesus fez, Ele o fez uma vez por todas. Conclusão,sendo Jesus divino, Ele deve ser posto num nível infinitamente superior aos homens que já existiram, principalmente os fundadores de religião: A obra realizada por Jesus é singular, definitiva e impar. Somente Ele morreu pelo homem pecador. Logo, o cristianismo não é uma religião de ideias, mas dos atos de Deus na História. Outros líderes religiosos destacam-se por aquilo que ensinaram. Jesus, porém, por aquilo que Ele é: Deus que se tornou homem. Jesus Cristo é o único meio de se chegar até Deus. Ele é caminho para Deus.

Quem é Jesus? estudo parte v

     A humanidade de Jesus não é tão discutido quanto a sua divindade, mas seu estudo é tão importante quanto este. Que Jesus é Deus, todos os cristãos sinceros concordam e entendem, contudo a idéia da sua humanidade, ainda que aceita, não é corretamente entendida, e poucas vezes ensinada.
            O credo cristão formula a natureza de Jesus como sendo plenamente Deus e plenamente Homem. Ou seja, o Deus encarnado assumiu completamente a humanidade, tornando-se passível das mesmas limitações físicas e psicológicas comuns a todos os homens. Uma vez que estávamos separados de Deus pelo pecado, foi necessário que o próprio Deus encarnasse para que pudéssemos voltar a ter novamente comunhão com Ele. Dessa forma, a genuinidade da divindade de Cristo garante a eficácia de sua obra realizada na cruz, e a realidade de sua humanidade garante que sua morte é aplicável a todos os seres humanos.
            Vejamos o que a Bíblia tem a nos ensinar sobre o aspecto humano da natureza de Cristo.
    1. A escrituras fala Sobre a humanidade de Jesus
            Há indicações claras na Bíblia que Jesus era uma pessoa plenamente humana, sujeito a todas as limitações comuns à raça humana, mas sem pecado. Como tal nasceu como todo ser humano nasce. Embora sua concepção tenha sido diferente, uma vez que não houve a participação de um ser humano masculino, todos os outros estágios de crescimento foram idênticos ao de qualquer ser humano normal, tanto física como intelectual e emocional. Também no sentido psicológico, era genuinamente humano, pois pensava, raciocinava, se emocionava, como todo ser humano normal.
    1.1. A natureza fisica. 

    •  Seu nascimento (Lc 2: 6,7): Jesus não desceu dos céus, e sim nasceu de uma mulher humana, passando por todas as fases que uma criança normal passaria.
    •  Sua árvore genealógica (Lc 3: 23-38; Mt 1:1-17): a Bíblia deixa evidente portanto que Jesus teve, por parte de Maria, ancestrais humanos, dos quais provavelmente herdou características genéticas, como todos os homens o recebem de seus antepassados.
    •  Seu crescimento (Lc 2:52): cresceu como toda criança normal cresceria, alimentada por comida e água. Seu corpo não era sobre-humano, e não tinha características especiais, diferentes de qualquer ser humano normal.
    •  Suas limitações físicas: em tudo idênticas aos de um ser humano.
      •  Sentia fome (Mt 4:2; Mc 11:12).
      •  Sentia sede (Jo 19:28)
      •  Ficava cansado (Jo 4:6)
      •  Sofria a dor (Jo 18:22; 19: 2,3)
    •  Sua percepção pelos homens (I Jo 1:1; Mt 9: 20-22; 26:12; Jo 20: 25,27): Jesus de fato foi visto e tocado pelos homens a sua volta. Não era um espírito com a forma humana, nem um fantasma, mas um homem real, a ponto de Tomé só acreditar em sua ressurreição após tocá-lo. Mesmo o testemunho do Espírito de Deus afirma que Jesus tomou plenamente a forma humana (I Jo 4: 2,3a).
    •  Sua morte(Lc 23: 46; Jo 19: 33,34): Jesus Podia morrer, como de fato morreu. Sua morte não foi aparente, mas verdadeira. Seu corpo sucumbiu aos sofrimentos infligidos e de fato expirou à semelhança de todos os homens. Esta é talvez a suprema identificação de Jesus com a humanidade, pois sendo Deus não deveria morrer, mas ao assumir plenamente a humanidade, torna-se sujeito a possibilidade da morte. Eis uma verdade tremenda e profunda.

    1.2. A sua natureza psicológica e intelectual 

  •  Quanto ao Caráter Emotivo
    •  Sentia emoções (Mt 9:36; 14:14; 15:32; 20:34): ainda que sentir emoções não seja uma prova da humanidade de Jesus, uma vez que Deus também se emociona, elas demonstram a plena humanidade de Cristo, como também deixam claro algumas reações tipicamente humanas.
    •  Sentia tristeza e angústia (Mt 26:37)
    •  Sentia alegria (Jo 15:11; 17:13; Hb12:2)
    •  Sentia indignação (Mc 3:5; 10:14)
    •  Sentia ira (Mt 21: 12,13)
    •  Se surpreende (Lc 7:9; Mc 6:6): Jesus se mostra genuinamente surpreso perante a fé do centurião e se admira da incredulidade dos habitantes de Nazaré. Não era uma atitude falsa ou de retórica, Jesus realmente era surpreendido em algumas circunstâncias.
    •  Se sente atormentado (Mc 14:33): no Getsêmani Jesus foi tomado de grande angústia e pavor. Estava em conflito íntimo e se atormenta pelo fato de não querer ser deixado só, contudo ainda assim escolhe fazer a vontade do Pai. Mesmo na cruz, sua frase "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Mc 15:34), é uma das expressões mais humanas de solidão já registradas na história dos homens.
    •  Se comove e chora (Jo 11:33,35,38): Mesmo sabendo de antemão que Lázaro havia morrido, Jesus é tomado de comoção e chora ao ver a tristeza ao seu redor e a triste realidade humana da morte. A expressão "agitou-se no espírito", retrata vividamente alguém gemendo no íntimo, aflito e comovido com uma situação que trás dor e cansaço.
  •  O seu caráter intelectual
  •  Seu conhecimento era superior ao dos homens: em termos intelectuais, Jesus possuía um conhecimento que se destacava em relação aos outros homens. Ninguém na História Humana disse palavras tão belas, de grande profundidade e de maior alcance. Não só isso, Jesus deu claras demonstrações de um conhecimento além da capacidade humana. Sabia o que pensava os seus amigos e inimigos(Lc 6:8; 9:47). Conhecia coisas sobre o presente, pois sabia que Lázaro estava morto (11:14), o passado, uma vez que conhecia o fato da mulher samaritana ter tido cinco maridos (Jo 4:18) e o futuro das pessoas, ilustrado no fato de antemão ter avisado a Simão Pedro de sua negação (Lc 22:33).
  •  Seu conhecimento não era ilimitado: em algumas passagens vemos Jesus fazendo perguntas retóricas afim de reforçar algum ensinamento (Mt 22: 41-45), contudo há outras passagens em que Jesus pergunta sinceramente em busca de informações às quais não possuía. Um exemplo claro foi o caso do garoto acometido de um espírito de surdez e mudez, onde Jesus pergunta ao pai dele "Há quanto tempo isto lhe sucede?" (Mt 9: 20,21). Há nesta passagem uma clara alusão que Jesus não tinha tal informação, e a julgava útil e necessária para promover a restauração daquele garoto. Um outro caso ainda mais explícito foi no discurso apocalíptico em Mc 13:32, quando ao ser interpelado sobre quando voltaria uma segunda vez, Jesus respondeu francamente: "Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai". Foi uma declaração clara de sua falta de conhecimento sobre essa informação. 
  •  Seu caráter religioso
    •  Participava regularmente dos cultos na sinagoga (Lc 4:16): era de seu costume ensinar nas sinagogas e visitar e participar dos cultos no templo quando estava em Jerusalém. Humanamente mantinha um padrão de vida religioso irrepreensível quanto aos parâmetros de Deus.
    •  Mantinha uma vida de oração (Lc 6:12; 22: 41,42; Jo 6:15): várias ocasiões vemos Jesus sair para orar sozinho ou em grupo. Sua dependência humana do Pai era total e a oração era uma prova disso. Em todas as coisas Jesus se mostrou plenamente humano, tanto no aspecto físico, como no mental. Não havia dúvidas para os autores do NT que Jesus era plenamente homem.

    Quem é Jesus

     Quem é Jesus Cristo para você?
    Seja qual for sua resposta; sobre Jesus Cristo. Agora você vai aprender mais, pois vamos ver alguns fatos básicos da vida dele. Você está preparado? Então, mãos à obra!
    1. Com quem Jesus Cristo estava antes de o mundo existir? (João 17:5).
    2. Leia João 1:1 e 2. Vimos que Jesus Cristo, neste texto, é chamado “O Verbo”. Ele já existia antes da criação do mundo. Estes versículos, no entanto, mostram algo novo. O texto nos diz que Jesus Cristo também era:
    3. Leia João 10:30. O que Jesus diz a respeito de si mesmo? Quem Jesus diz que ele é?
    4. Jesus (o Verbo), quando estava nos céus, não estava indiferente ao sofrimento humano. Leia a primeira parte de João 1:14 e responda: O que Jesus fez para mostrar que se importava com os homens?
    5. O exame das Escrituras (Bíblia) nos mostra três coisas importantes:
    Jesus Cristo é eterno.
    Jesus Cristo é Deus.
    Jesus Cristo se tornou homem e habitou entre nós. Você entendeu bem estes pontos? Então vamos prosseguir. Leia João 10:10. Por que Jesus Cristo veio ao mundo?
    6. Abra sua Bíblia em João 4:6 a 8. O que o relato diz a respeito de Jesus?
    O que mostra que ele era um ser humano como os outros?
    Existem pessoas que pensam que Jesus era uma “energia”, mas isto não é verdade. Jesus era homem semelhante aos demais. Ele também sentia cansaço, sede, e precisava alimentar-se.
    7. Jesus sentia as mesmas emoções que nós sentimos. Verifique agora João 11:35. Nesta passagem Jesus havia acabado de receber a noticia da morte de um amigo seu. Como você acha que Jesus estava se sentindo?
    Jesus pode ajudar você em suas dificuldades, porque já experimentou todas estas dores e conhece seu sofrimento.
    8. Jesus foi um homem como os demais; no entanto, podemos perceber em sua vida algumas diferenças. Leia João 8:46 (a primeira parte do versículo).
    O que Jesus disse que não possuía?
    Uma das coisas que fazia Jesus diferente dos outros homens é que ele não tinha pecado. Pecado é tudo aquilo que o homem faz que desagrada a Deus; é não ser o que Deus quer que o homem seja.
    9. Jesus tinha um domínio sobre sua própria vida que as outras pessoas não têm. Leia João 10:17 e 18. O que Jesus disse que ia fazer com a própria vida?
    10. Para onde Jesus Cristo foi depois de ter ressuscitado? (João 16:28).
    11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora?
    Lembremo-nos que:
    — Jesus Cristo não pecou.
    — Jesus Cristo morreu e ressuscitou.
    — Jesus Cristo voltou para Deus e está no céu.
    Quanta coisa você já aprendeu, não é mesmo?
    Agora, gostaria que você aprendesse que, mesmo estando no céu, Jesus Cristo pode atuar na sua vida!
    12. Leia João 3:36. O que vai acontecer se você crer em Jesus Cristo, o Filho de Deus?

    Quem é Jesus? Estudo parte IV.

    Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo;
    Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor;
    E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade,
     Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado,
    Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça,
    Que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência;
    Descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo,
    De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra;
    Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade;
     Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo;
     Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa.
     O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória.
     Por isso, ouvindo eu também a fé que entre vós há no Senhor Jesus, e o vosso amor para com todos os santos,
     Não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações:
    Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação;
    Tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos;
    E qual a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder,
     Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus.
    Acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro;
     E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja,
     Que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.
    Efésios.1:3,ao 23

    O verdadeiro significado do natal


    E, TENDO nascido Jesus em Belém de Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do oriente a Jerusalém,
    2  Dizendo: Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos a adorá-lo.
    3  E o rei Herodes, ouvindo isto, perturbou-se, e toda Jerusalém com ele.
    4  E, congregados todos os príncipes dos sacerdotes, e os escribas do povo, perguntou-lhes onde havia de nascer o Cristo.                
    5  E eles lhe disseram: Em Belém de Judéia; porque assim está escrito pelo profeta:
    6  E tu, Belém, terra de Judá, De modo nenhum és a menor entre as capitais de Judá; Porque de ti sairá o Guia Que há de apascentar o meu povo de Israel.
    7  Então Herodes, chamando secretamente os magos, inquiriu exatamente deles acerca do tempo em que a estrela lhes aparecera.
    8  E, enviando-os a Belém, disse: Ide, e perguntai diligentemente pelo menino e, quando o achardes, participai-mo, para que também eu vá e o adore.
    9  E, tendo eles ouvido o rei, partiram; e eis que a estrela, que tinham visto no oriente, ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino.
    10  E, vendo eles a estrela, regozijaram-se muito com grande alegria.
    11  E, entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra.
    12  E, sendo por divina revelação avisados em sonhos para que não voltassem para junto de Herodes, partiram para a sua terra por outro caminho. Mateus:2-1,12.